Estou Solteira e bem...


Que podia continuar assim. Haveria de ser algo fora do normal pensar desta maneira mas sinceramente com a sociedade em que estou, existe algo que são as regras. E digo isto, sem ser de facto solteira, estou numa relação. Mas mesmo assim, não posso deixar de penar naqueles momentos.

Aqueles momentos em que estamos no meio da rua e um conhecido que não víamos a anos aborda-nos todo contente por nos ver, a gabar-se de ter um emprego estável e a preparar-se para casar, quando de repente a conversa muda para o nosso lado e nos perguntam "e então ainda estás solteira?", e nós respondemos "sim, ainda estou", e cuidado respondemos com orgulho e também na defensiva, porque perguntam de forma quase ofensiva, é instinto básico. Está tão metido no nosso ADN, que parece que não a maneira de fugir a este género de situação.

E o melhor é quando a outra pessoa de cabeça inclinada a olhar para nós com pena diz assim "Ah, ainda tens tempo, vais ver que mais tarde ou mais cedo vais ter alguém". E nós apenas acenamos educadamente, quando interiormente estamos a gritar com a pessoa, porque sim, é fácil falar quando se esta do outro lado bem na vida, com a "vida" perfeita. Vida esta, que as vezes não corresponde a maneira como a pintam. Mas quando é está situação da-me sempre a sensação que só somos pessoas quando temos namorados ou alguém ao nosso lado. Porque sem esse facto, nós somos solitárias, nós não temos mais ninguém para poder ganhar dinheiro, para ter uma casa, para poder ir passear, para poder andar ou até mesmo comer.

Sim, nós somos considerados assim, se não temos alguém é quase como se não tivéssemos nada na vida, o resto são picos de orgulho. O facto de por exemplo de a pessoa andar na universidade a estudar, ser medica ou escritora desaparece no momento em que se diz que está solteiro.

E agora quando temos namorados, há dois tipos de namoro (existem mais, mas mais tarde irei falar sobre eles), existe aquele casal que tira fotografias até dizer chega, que normalmente acontece depois de uma discussão acesa do facto de ele andar sempre a se esquecer de por as meias para lavar, ou porque chegou 5 minutos depois, ou porque quando ela perguntou se estava gorda, ele olhou duas vezes para ela, mas só porque estão a jantar fora tem que colocar a foto no facebook ou no insta. E depois há aquele casal independente.

Esse género de casal, aos quais vou chamar os Sossegados, são casais que conseguem um equilíbrio entre os dois, ou seja, conseguem perfeitamente agir sozinhos sem a ajuda do outro. Que por exemplo as amigas vão sair, e ela sai sem ele atrás acorrentado. Este casal que por exemplo, consegue passar o dia sem mandar 30 SMS por dia, que prefere mil vezes estarem frente a frente e ter uma conversa decente sem olharem de 5 em 5 minutos para o telemóvel.

Mas mais uma vez, nós vivemos numa sociedade de regras, se a rapariga ou rapaz do Sossegado, for visto a entrar num café sozinhos, sozinhos, quase que acontece como um estalo, quase se consegue ouvir, é como uma onda no universo que faz mover a terra, quando aquele bzzzz bzzzz, começa "ai ela tem namorado e toma café sozinha, olha que acho que nunca os vi juntos, para ser te sincera." Gostava de saber como é que conseguem ver 24 horas deste casal... Porque sim, o facto de a vermos uma vez a pessoa sozinha sabemos que em nenhuma parte do dia está com outra pessoa, é inédito, poderiam jogar o euromilhoes que ganhavam de certeza.

Este género de pensamento de Sossegados para mim é o mais saudável que existe, cuidado, não significa que desaprovo passarem sempre o tempo todo juntos, nem todos somos iguais! Mas acho saudável num casal, cada um ter a sua própria vida a seguir sem que ninguém esteja a respirar em cima do ombro.

Mas voltando a regras de sociedade, nós pensamos desta maneira, de uma maneira em que faz com que as mulheres solteiras se sintam mal por estarem sozinhas e colocam pressão nelas, ou numa sociedade que se não vem o casal juntos, é porque eles acabaram. Gostaria de saber onde está aquela placa, em que diz que todos temos o direito de impor a nossa opinião quer ela seja mesquinha ou não.

Sabem eu dou valor aqueles, que passam por mim, e perguntam:

"Então como vai a vida?"
"Vai bem, obrigada e contigo?"
"Fantástica, conseguiste o teu emprego de sonho?"
"Consegui, batalhei muito por isso mas finalmente estou na área que quero."
"Fantástico. A saúde vai bem também?"
"Vai."
"Boa, se precisares de alguma coisa avisa."

Pois, quantas vezes quando veem alguém que já não falam a algum tempo, que faz este género de perguntas? A mim? Para ser sincera, uma pessoa, um ano atrás. O resto do tempo? É a pergunta ADN, tanto que as vezes até evito aqueles que sei que irão perguntar sobre estar comprometida ou não.

Mas não é só as pessoas que nós impõe este pensamento, de que se não temos alguém não somos ninguém. Quantas vezes numa novela, eu não vejo isso acontecer, eu nunca vi uma mulher que fosse solteira do inicio ao fim da novela e se fosse solteira mas tivesse noites coloridas, era retratada pela produção como uma oferecida. Mas porquê?!

Porquê é que o homem pode ter as mulher que quiser a hora que quer, e se a mulher fizer isso é vista de lado? Onde está os pés e a cabeça disso? Como é que isso é igualdade? Como é que as mulheres são mal vistas por aproveitarem a vida como homens,  porque haveria de ser assim? Somos donas de nós próprias, porque deveríamos de ser olhadas de lado? Essa eu não entendo, nem nunca vou entender. É porque o estereotipo de homem é ser um garanhão que pode ter todas e a mulher sempre terá o estereotipo de esperar até ao casamento? 
Mas isso é algo que mais tarde irei falar.

Estamos no séc. XXI, vamos ser realistas, as mulheres vivem independentes, tem filhas sozinhas e tem sucesso no emprego sem alguém ao seu lado. Será impressão minha, mas homens sentem-se ameaçados? Deveriam!

Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.